Li Aritmética, de Fernanda Young

Dedico esta resenha à amiga Tânia Consuelo aproveitando aqui pra agradecer o presente de aniversário que foi este livro, Aritmética, de Fernanda Young.

Imagem

Já é comum eu dizer, toda vez que eu leio algum livro da Fernanda Young, que eu amei. Esse último, Aritmética, não fica sendo diferente. Tem o mesmo fôlego narrativo que As pessoas dos livrosVergonha dos pés e Tudo que você não soube. Esta mulher que, mesmo com a fama de romancista fracassada, veio realmente pra ficar. Fernanda é Fernanda e não se discute. Mas vamos ao que interessa.

Aritmética foi um livro que li com uma velocidade que até eu estranhei. O bom é que até isso fica sendo informação para integrar uma resenha, mas eu digo mais. Young escreve, por ser uma escritora contemporânea, num estilo super ligado às tendências e, por isso mesmo, sua literatura é chamada de pop. Literatura pop – será esse o motivo de eu gostar tanto dela e dos textos que ela escreve? Costumo, quando gosto muito de um escritor, ler tudo que ele publica  isso talvez explique. É uma fidelidade direcionada, entende?

Sabemos que escrever dói e, num  único exemplo, a autora de A hora da estrela, Clarice Lispector, nos passa  isso com a maior nitidez possível. Fernanda também. Pra quem ainda não sabe, os livros dela tem como enredo o mundo das letras, do fazer literário. Personagens como leitores, autores, pesquisadores, dizedores de poesia e tudo que se pode imaginar no mundo literário se é encontrado nas páginas dos livros de Young. Dicas irônicas de escrita e vida de escritor pairam na parte interna do livro. Achamos que pela escritora ser maluca, ter posado para a Playboy e ser entrevistadora de tevê ela não sabe escrever. Reforce, então, sua opinião sobre.  Fernanda é tudo de bom o que você menos esperar, falo no contexto do fazer artístico e no seu lado crítico. Este, Aritmética, é de longe, o livro mais literário da autora.

O livro tem, como um dos personagens centrais, João Dias, um escritor já reconhecido que não suporta, detalhando uma das coisas, a família. Um escritor de carreira famosa no mundo literário, mas que no entanto, já na velhice, opta por não dá entrevistas e não participar ativamente deste mundo de eventos e feiras de livros. Seria ele a Fernanda Young? Talvez. Mas, todos  os outro personagens devem mostrar o jeito de estar e encarar o mundo da forma que Young, pelo que vejo em entrevistas, deve encarar.

Numa breve apresentação dos personagens, temos: América, amante do escritor João Dias; Eduardo Dias, filho de João e também escritor; Mariana, neta de João que se dedica a escrever um livro falando sobre o enigmático avó; Elisa, jornalista e neta de América casada com um fotógrafo, Rigel, que trai assim como a  esposa com  a neta de João, Mariana, e Elisa com Eduardo, onde, aproveitando as situações e mostrando que literatura se faz de cenas e palavras, ele, sendo escritor, escreve um romance sobre a relação conjugal de ambos.

Há todo um promíscuo movimento que alimenta as mais de 400 páginas do livro, onde cada capítulo tem um narrador com perspectiva sempre variada, fazendo com que a leitura não torne-se chata, mas sim ágil. Melhor do que a foma que a escritora escolheu para a velocidade da leitura, é falar do assunto abordado e da maneira delicada e feminina que tudo nos é contado. Este é realmente um livro de frases e eu o li todo com um marca texto. Ela cria os problemas e dá soluções, exceto aqueles, parecidos com uma equação sem resultado, onde o desejo fala mais alto. Descubra a aritmética da  atual relação contemporânea lendo Aritmética, de Fernanda Young. Deixo a dica me lembrando da canção que costumo sempre ouvir na voz de Gal Costa: ‘…tudo certo como 2 e 2 são cinco…♪’.

JOÃO GOMES
28.07.12

As contadas 17h de ilusão por algo incerto

Me dei conta agora do quanto sou dramático. Não é forçar a barra, você sabe que não, não finja. Hoje recebi de ti a resposta que eu tanto queria. Olha, obrigado por dividir comigo a sinceridade e me desejar, assim como desejei a você, uma ‘boa sorte’ para as futuras experiências que vamos encontrar pela frente nessa caminhada adentrada na vulgaridade dos nossos atos escondidos por você, seu (***), ainda continuar no armário. Iniciado ontem e terminado hoje, recebi o ‘não’ verdadeiro que esperava e, por isso, pra eu não ficar pior e muito piega, não ouvirei essa noite nenhuma música romântica e com os texto poéticos, idem. Terminei o livro que lia (Aritmética, de Fernanda Young) e, pra piorar, ou, quem sabe, até me alertar desse viver leviano que não podemos ter, li e associei ao meu Eu de hoje sofrido e abolicionado da senzala negra da tua crueldade ao fingir um afeto. Não importa, isso servirá de inspiração para cobrir com uma pela bem grossa os meus personagens. Como sempre feliz por ter terminado mais um livro… Voltando a dramaticidade: Hoje o choro que forço quando escuto Dolores Duran (‘Eu desconfio que o nosso caso está na hora de acabar… ♪) ou Marisa Monte ou Nouvelle Vague não vai descer pelas espinhas nojentas que cobrem a minha cara. Não, hoje não terá choro. Minha paixão por ti será enterrada sem choro no cemitério do nunca mais… Estou sentado num caralho enorme na espera por uma nova morte pra me deixar mais vivo.

JOÃO GOMES

Os precoces deveriam tentar o sexo tântrico

Imagem

A dica de hoje, que eu não costumo dar sempre, seria: os precoces deveriam praticar o sexo tântrico. Simplicidade mil. Não goze, ou melhor, não faça nenhum esforço físico para gozar. Poupe esforços manuais e penais (do pênis). Como é de conhecimento nosso, uma relação sexual dura em torno e no máximo 15 minutos. Se você chega tão fácil nas nuvens com o ardor do ato a ponto de não se ligar nisso, cuide de cronometrar. Para os praticadores do sexo tântrico, caso dure menos de uma hora já se é considerado ejaculação precoce. A mulher, na ocasião tântrica, se sentirá divina e o homem, dono do buraco, se sentirá realizado proporcionalmente. Maneiro, não? Operação tapa buraco pro ano todo.

Como se realizar tântricamente? Fazendo carícias, usando palavras doces e não se apressando. Se estiver num motel, dispense o serviço de quarto; se estiver em casa, tranque-se. Não é pelo fato de demorar que interrompimentos devem acontecer. Prolongue o ato. Não goze. Desfrute o corpo d@ amado@. Não suje nada, não desperdice sêmen. Pela bíblia é pecado, mas punhete-se. Deus nos quer  ver satisfeitos, concorda? Voltando pro tantrismo e sabendo que dúvidas podem surgir, passo a fala pra Senhora Penetração.

A penetração ocorre sim nessa prática, mas com calma. Devagar. Nada de mostrar velocidades já cantadas em música de modinha. Calma. O pênis deve ser colocado devagar e ser retirado após um minuto, seguindo sempre assim e descansando sobre o clitóris antes de voltar pro popular ‘coloca e tira’. Depois de uma horas, que já vai oficializar um bom tempo na brincadeira de mamãe-e-papai, vai pra uma penetração mais funda. Cruel, diria. A mulher abre as pernas em V, compensando assim a ausência de esforço físico. Mas nada de gozar, ainda.

Narrar o orgasmo e dizer se ele vai chegar até aqui nessa lenga-lenga toda é difícil. Mas concluindo a tardia dica de hoje, demore a gozar, se realize mais profundamente. Vá fundo sabendo voltar. Esqueça os relógios. Uma prostituta nunca vai topar isso, só se caso for muito bem paga. Mas vale, garanto. Tente com sua esposa e, mudando a perspectiva do texto, com seu esposo.Tudo que demora mais pra acontecer é mais intensificante. Use, então, seus sentimentos e não bata. Nada de masoquismos e correntes. Amarre a pressa, viaje num maremoto de prazer a dois.  São nessas horas que um completará o outro. Doe-se e esqueça os problemas, concentre-se para não errar o buraco. O tantrismo ensina ao homem a se controlar para adiar o prazer imediato. Deixe-se pro futuro e você, sendo brasileiro, saiba que 70% dos norte-americanos ejaculam em dois minutos depois da penetração. Até nisso Deus é brasileiro, concorda?

Uma segunda dica, para você que já vem praticando o sexo tântrico e não sofre de ejaculação precoce, candidate-se numa agência de filmes pornôs. Os atores nada sabem de Stanislavski e o único objeto cênico usado com maestria é o pau. Gostou das dicas? Deixa teu número aí que eu sou passivo e, com todo carinho, te ensino todas as posições do tantrismo e, claro, toda técnica teatral para criarmos uma cena com adereços mil no cenário do nosso quarto.

JOÃO GOMES
19.17.12
(17:50)

Sincerizar, verbo transitivo

Imagem

Nunca me diga algo que eu queira ouvir. Como assim? Ele está louco? Não, quero somente a pouca sinceridade que ainda resta em você. Sejamos sinceros pelo menos todas as vezes na vida, meus irmão, diria se tivesse uma igreja. Reparando bem sincerizar é verbo e eu não sabia, mas, sabendo agora, como todo verbo necessita de conjugação e sobretudo de ação, torne-se sincero. Custa dizer perdoe-me a sinceridade ao comentar o comportamento desconcertante de alguém? Ah, mas vou me entrometer na vida dos outros? Não. Mas quando perguntarem sua opinião chegue a destruir a amizade, mas seja sincero. Sua consciência ficará mais leve. Ser sincero é uma virtude e não um defeito. Defeituoso é não dizer a verdade, modificando assim sua filosia de vida e opinião formada pra tudo, para concordar com o amigo que gosta muito e não quer ferir. Não gosta do que eu escrevo? Fala, pode falar. Não me suporta? Idem. Não me venha com comentários bonitinhos e coisas do tipo. Quero a verdade. Sinceridade existe pra isso. Não economize, nunca. Poupe uma futura caretice dizendo prum amig@ a verdade. Diga que el@ se veste super mal. Diga o que você acha. Segure o microfone e solte sua voz. Não gostou do show? Não devolva o ingresso e se resolva com a verdade que deve ser dita sempre. Ferindo ou não, antagonize-se!

JOÃO GOMES
14.07.12
(19:24)

Meu cu não quer teu toque

Depois que se começa o cutuque no FB não se para mais. Isso também é conhecido como a terceira lei de Newton. Se você estudou física deve saber qual é, não quero ser direto e isso aqui não é uma indireta. Por favor, passa alguns dias sem me cutucar. Deixa eu na minha. Ganha-se mais, não acha? Uma amiga (foto), que desistiu do FB por conta disso, terminou nesse estado de cutuque avançado. Cutuque: meu cu não quer teu toque, entendeu? Agora vai lá no FB e me cutuca pra ver. Explodo teu HD.