Pra que frequentar a escola?

estou cansado até de saber que quase ninguém sabe. inclusive eu: matemática. o resto do povo: quase tudo. não suporto aula de literatura na escola. é uma deformação, quase um abandono à letras. quero estar vivo no futuro para falar bem mal da maneira como fui educado. quero que minha formação seja outra. não atribuo ao professor o pouco que eu sei. nem o roteiro eles estão oferecendo mais. que tédio que é frequentar uma escola onde nada se aprende. uó (como reclamam as bichas, sim, sou uma).

COMENTÁRIO DE UMA AMIGA  RELACIONADO A ESTE POST NO FACEBOOK:

(Jana Vasconcelos):
João, não só as bichas, rs Mas é verdade, boa parte das coisas que aprendi foi fora da escola. Principalmente na área de humanas. E aula de literatura então, nem se fala! A escola contribui bem pouco nas coisas que eu sei. É triste isso. Pra que frequentar a escola, afinal??

 

Quando a escola estraga

Portrait of Pablo Picasso

“A arte limpa da alma a poeira da vida.” PICASSO (foto)

(ontem passei o dia lendo um livro daqueles pesadões de arte na livraria cultura e li essa frase de picasso e me encantei com tanta coisa nova que vi. o gostoso da arte é essa abertura escancarada para o novo. pena que a escola ajuda a estragar esse gosto, às vezes até precoce, nas pessoas. a aula de artes hoje na escola prova isso. a escola às vezes estraga e só não mais que socializa. tantas questões para responder e nenhuma conversa daquelas que encanta o aluno. acho que se eu não estivesse próximo de bons escritores (devo isso ao sesc) já teria me perdido na arte e até desistido. tudo é formação e, como escreveu mario quintana, a arte mais difícil é a de desler. com modéstia ainda digo que inda bem não necessito dessa péssima formação que brocha as pessoas antes mesmo até de se experimentar. só isso mesmo que tinha a dizer por uma frase).

Pena maior

tenho pena porque muitos dos meus amigos vivem sem arte e sem poesia e sem uma boa música e sem teatro e sem encanto e sem nenhuma utopia, apenas com a rotina de sempre. triste, mas é. quem é assim, sabe. ou melhor, sofre. a arte reiventa a vida e esse tédio que muitos postam nos status denuncia.
 

Homofobia é coisa de veado (sempre soube)

“Homofóbicos, que são pessoas que sentem grande desconforto quando pensam em homossexualidade, frequentemente são homossexuais reprimindo suas próprias tendências biológicas. A pesquisa não foi contestada em 17 anos e suas conclusões foram reforçadas por outro teste mais preciso, realizado na Inglaterra no ano passado, com imagens cerebrais de homofóbicos. Claro que nem todos os homofóbicos são gays: pode ser cultural ou simplesmente uma dificuldade de lidar com o diferente. Mas pessoas que nascem gays em ambientes repressivos muitas vezes aprendem a suprimir a homossexualidade e sentem raiva dela.” DENIS RUSSO BURGIERMAN, em artigo da Super Interessante.
 

Estive no inferno e lembrei de você

Imagem
para mim, um dos melhores livros da literatura brasileira contemporânea. nunca um livro mexeu tanto comigo (e sei que já sou mexido demais, ao menos por trás). mas esse livro me tirou do lugar. voei pras favelas do rio sem nem ter comprado as passagens. posso dizer que nasci lá com tudo que agora sei. gente, esse livro me desconfigurou. esse livro me marcou, e digo da cueca também, toda melada. esse livro, que é super urbano no meu estilo apaixonado fernanda young (garanto que vou ter muita dificuldade para ler josé lins do rego com ou sem fliporto), me reposicionou no país em que nasci e me mostrou uma nova forma de narrar uma história utilizando a tensão do personagem num envolvimento central com a arquitetura do texto. já ouvi muita gente falar disso e até da possibilidade de se fazer, mas nunca vi ninguém praticar (talvez seja porque o muito que eu acho que eu leio é pouco ainda, não sei). mas neste livro descobri o inferno. porque acho que há muitos infernos num inferno só, já que num dia que pode ter vários dias vários infernos nele pode ter. num estilo final de pregação de culto evangélico: pra terminar deixo a epígrafe que abre o livro: ‘a descida é fácil, as portas do inferno estão abertas dia e noite’. joãojoão, quem meche com fogo se queima. torrei.
 
 

Relações do saber

o bom da internet é que tanta coisa se relaciona e tanta coisa se mostra fazendo a gente perceber que não sabemos de quase nada. difícil mesmo é as pessoas confirmarem quase nada saber ou afirmar que o que sabe ainda é pouco pro muito que deveriam. sejamos mais humildes porque quase toda da vida é movida a tags e filtrada pelo google…

Reflexão sobre o Ask

as pessoas criam o ask para ter certeza que as pessoas lhe odeiam. o ask é uma rede social onde pessoas jogam inderetas, tiram dúvidas e fazem xingamentos. por isso que não tenho. quando falam mal de mim geralmente eu concordo até mesmo sem saber o que falaram. pra quê ler e responder o que eu já sei de mim e em boatos espalhados sobre o meu comportamento você pode também perceber? é por isso que eu não tenho. tenho vida, mas ask não. pergunte pra mim. eu respondo.

há pessoas que sabe tudo que já foi dito sobre tudo que já foi pensado. mas é incapaz de criar alguma nova verbalização. não seja assim. na hora de compartilhar um frase colocada numa imagem, dê também sua opinião. não cai a mão se teclar um pouquinho mais. de nada custa falar. ninguém pede o certo, pede-se apenas sua opinião que pode, claro, ser divergente da minha. tenho medo de pessoas de referências e cheias de aspas. me dá asma. perco até a calma e minha alma se dilata…